Recuperação judicial requer cautela

Nem sempre o caminho é tão fácil quanto parece

De acordo com o Serasa Experience, o número de pedidos de recuperação judicial já bateu um recorde histórico no ano passado, com cerca de 62%. Isso ocorre devido à grande crise econômica que o país tem atravessado nos últimos anos, que prejudica o fluxo de caixas dos empresários e leva à queda das vendas em diversos setores. O pedido de recuperação judicial pode ser uma saída, mas deve ser a última hipótese a ser considerada. Em primeiro lugar deve ser feito uma recuperação “branca”, ou seja, uma espécie de recuperação extrajudicial, que ocorre fora do poder judiciário, através da análise de alguns fatores que são indicadores do insucesso econômico e elaboração de estratégias específicas para gestão destes fatores, como os endividamentos tributários, bancários e com stakeholders. Somente após essa análise é aconselhável requerer a recuperação judicial.

Lembrando apenas que com exceção de algumas empresas bem específicas, qualquer uma pode entrar com o pedido, independendo do porte ou tamanho. O pedido poderá ser negado caso os requisitos processuais não sejam cumpridos, como a falta de alguma documentação essencial. Também poderá ser negado caso a empresa pretenda obter, por via transversa, os efeitos decorrentes do processamento da recuperação judicial – ou seja, se utilize indevidamente do pedido de recuperação judicial para obter outro fim que não sua recuperação financeira. Por exemplo, conseguir um empréstimo bancário que ante18s não havia sido concedido devido às negativações que possui em seu nome.

É preciso observar também que no Brasil apenas 1% das empresas que pediram recuperação judicial, conseguem obtê-la com sucesso. O recorde de solicitações é preocupante para ambos os lados, haja vista que o Poder Judiciário está sendo “atolado” de pedidos, tornando-o a análise individual de cada pedido mais morosa, prologando a discussão sobre os rumos da empresa por anos – situação esta totalmente desfavorável ao empresário que busca com o referido pedido exatamente uma solução rápida e eficaz para manutenção de suas atividades. Portanto, é preciso pensar e repensar nos caminhos mais favoráveis para a recuperação dos negócios e ter muita atenção aos pequenos detalhes para não comprometer as atividades da empresa.

Carolina Di Lullo — Advogada e especialista em direito bancário da Giugliani Advogados (www.giugliani.com.br)

fonte: http://www.administradores.com.br/noticias/negocios/recuperacao-judicial-requer-cautela/121631/

Como administrar com mais eficiência?

Ebook gratuito traz cinco capítulos sobre o assunto. Baixe seu exemplar

Um negócio produtivo e competente traz bons resultados, atrai talentos para a equipe, aumenta a satisfação do cliente no atendimento e conquista muitos outros benefícios. Mas como conseguir atingir esses objetivos?

A verdade é que a oportunidade para melhorar o desempenho da sua empresa está em suas mãos e o primeiro passo é fazer uma avaliação das ações que a sua empresa já executa.

O mundo dos negócios está passando por mudanças frequentes e o mercado competitivo exige que as empresas estejam em constante atualização e aperfeiçoamento de suas operações. Observa-se uma necessidade crescente de investir em inovação de processos, aprimoramento de produtos e serviços e a formação de uma sólida e engajada equipe.

fonte: http://www.administradores.com.br/noticias/negocios/como-administrar-com-mais-eficiencia/121639/

Como conseguir mais opções de crédito corporativo?

Pode não parecer, mas o CNPJ também pode dificultar esse processo

iStock

A instabilidade econômica e política vivida pelo Brasil colocou o empresário em caminhos tortuosos e cheios de obstáculos na busca por crédito em tempos de crise. Escolher o melhor percurso não é fácil e, na maioria dos casos, pode fazer o negócio sucumbir à espera de um financiamento.

Para ter acesso ao crédito as empresas do middle brasileiras passam por uma verdadeira “via-crucis”, principalmente porque a grande maioria dos empresários trabalha com 4 ou 5 instituições financeiras, desconhecendo as alternativas de financiamento disponíveis no mercado. O empresário pode buscar novos financiadores, mas o processo envolve inúmeras apresentações, visitas e viagens, que podem levar meses, tornando o caminho dispendioso e com alta probabilidade de frustração. Muitas vezes o tomador de crédito se depara com situações aonde o tamanho da sua empresa, o seu setor de atuação ou as garantias disponíveis eliminam as suas chances de conseguir um empréstimo logo nos primeiros cinco minutos de conversa. Tempo e dinheiro gastos à toa.

Passada a fase de identificação do provedor do capital, começa a fase de negociação, a montagem do “kit banco”, que pode incluir mais de 60 documentos diferentes, a resolução de dúvidas e pendências, a formalização do instrumento de dívida e das garantias e, finalmente, o desembolso. É um processo extenuante que, muitas vezes, faz com que a primeira proposta de crédito seja automaticamente aceita, ficando a dúvida: será que fechei um bom negócio?

Ao longo de 15 anos de atuação no mercado de finanças e à frente da fintech F(x), passei a entender a fundo a cabeça de quem dá crédito, sejam bancos, financeiras ou cooperativas de crédito e posso afirmar que existem meios mais fáceis que podem facilitar a busca dos empresários por financiamento.

Uma dica valiosa é o dia. Não existe época pior para sua empresa procurar crédito do que nas semanas finais de um trimestre.

Nenhum officer vai te falar, mas a grande preocupação nessa época é fechar as operações que já estão encaminhados e não trazer novas. Outro problema que empresas costumam enfrentar é a qualidade de garantia. Por exemplo, se você comprou um terreno, em área rural, apenas para utilizar como garantia de uma operação de crédito, esqueça. Pela simples razão de que muitos empresários já utilizaram essa estratégia no passado, a maioria dos financiadores não aceitam propriedades rurais não produtivas que foram adquiridas há menos de 2 anos como garantia.

Pode não parecer, mas o CNPJ também pode dificultar esse processo. Por exemplo, você tinha uma empresa que deu problemas no passado, então, com o objetivo de começar tudo de novo, um “fresh start”, você abriu um novo CNPJ e continua exercendo exatamente a mesma atividade. Infelizmente, esta não é boa ideia porque para grande parte dos bancos uma empresa só nasce depois de completar 5 anos.

Durante um cenário de crise econômica, a concessão de novos financiamentos ainda diminui, mesmo para companhias com histórico de bons pagadores. Além da baixa disponibilidade, outra pedra no caminho enfrentado pelas corporações é a concentração de crédito em poucos bancos. As empresas buscam os mesmos financiadores, o que dificulta o acesso. Resumindo: é gente demais para pouco crédito. O que a maioria não sabe é que existem muitas fontes alternativas de crédito, a exemplo da securitização de direitos creditórios, dos fundos mezanino e dos fundos de crédito focados em operações de prazo mais longo. O que impede a utilização destas soluções, muitas vezes, é a falta de conhecimento do próprio empresário sobre a existência de opções e de como encontrá-las.

Mesmo para quem já conhece esses fundos alternativos e os “truques” para passar por esse processo com sucesso, é preciso ter paciência e dedicação para conseguir crédito. Entretanto, existe um atalho: utilizar soluções tecnológicas que identificam os financiadores corretos para sua necessidade de financiamento, considerando as características da sua empresa e das garantias disponíveis. Assim, o processo é agilizado e traz benefícios para as duas partes.

Dan Cohen — Fundador e CEO da F(x), fintech que conecta empresas que buscam crédito à fontes de financiamento.

fonte: http://www.administradores.com.br/noticias/negocios/como-conseguir-mais-opcoes-de-credito-corporativo/121644/

A biometria a serviço da segurança nas empresas

Na biometria facial, a ferramenta não precisa ter hardwares específicos para seu funcionamento e pode ser utilizada em qualquer smartphone, tablet ou webcam

A biometria, aos poucos, está se tornando parte do nosso dia a dia, principalmente quando o assunto é segurança. As instituições bancárias já estão implementando soluções do tipo para saque e consulta de dados, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) está fazendo o cadastramento biométrico dos eleitores para evitar fraudes nas próximas eleições e empresas têm aderido a essa tecnologia para assegurar a entrada e saída de colaboradores e visitantes, evitando o acesso de pessoas não autorizadas às suas dependências.

Em relação ao acesso às organizações, a segurança ainda costuma ser feita por meio de um cadastro simples com apresentação do RG ou carteira de habilitação. Porém, sabemos que esses documentos podem ser falsificados ou furtados, permitindo a entrada de pessoas desconhecidas. Para garantir que esse tipo de equívoco não ocorra, a biometria pode ser uma solução viável, já que é baseada no que as pessoas são, seja ela facial ou digital, e não no que elas carregam, como os documentos.

No caso da biometria facial, além de ter um alto grau de precisão, a ferramenta não precisa ter hardwares específicos para seu funcionamento e pode ser utilizada em qualquer smartphone, tablet ou webcam, democratizando assim seu uso para mais empresas, independente de seu tamanho ou faturamento.

O único desafio para a implementação da solução é a angulação da face e o excesso de luminosidade, questões que podem prejudicar o reconhecimento facial. O indivíduo que se submete ao cadastro facial precisa estar de frente para a câmera e sem muita de luz ao fundo, para não correr o risco de escurecer o rosto, garantindo assim que os pontos da face sejam lidos de maneira adequada.

A utilização da biometria facial pode ser comparada ao surgimento dos telefones celulares. As pessoas foram se habituando com suas funcionalidades e, hoje em dia, os smartphones são indispensáveis no nosso cotidiano. O mundo todo já está começando a entender os benefícios dessa inovação e seu leque de usabilidade em diferentes setores.

Por fim, sabemos que o brasileiro é ávido por tecnologias inovadoras, e tenho certeza que, em pouco tempo, a biometria facial estará disponível em diversos lugares. Bem-vindos ao futuro!

Danny Kabiljo — CEO e fundador da FullFace, startup brasileira que criou um sistema de reconhecimento facial que facilmente se integra a hardwares e softwares facilitando processos de autenticação biométrica facial web e mobile.

fonte: http://www.administradores.com.br/noticias/negocios/a-biometria-a-servico-da-seguranca-nas-empresas/121646/

4 coisas para fazer agora mesmo e ser um líder mais produtivo

Pode parecer lugar comum, mas você só vai conseguir atingir o seu objetivo se souber aonde quer chegar

iStock

Em tempos de concorrência acirrada a avaliação de resultados com metas cada vez agressivas, torna-se urgente a necessidade de otimizar tempo. Como já diz a célebre frase – “Tempo é Dinheiro”. E de fato, vivemos momentos onde a tecnologia acelerou a execução de tarefas. Mensagens que demoravam dias para chegar ao destinatário chegam hoje em questão de minutos. Sem dúvida, acabamos trabalhando mais que antigamente.

E para não se perder nesse mar de trabalho, é essencial que você seja produtivo e evite perdas de tempo. Neste texto, sugiro 4 coisas que você pode fazer agora e vão melhorar o seu dia e torná-lo mais produtivo. Confira:

1. Estabeleça metas e como atingir o seu objetivo

Pode parecer lugar comum, mas você só vai conseguir atingir o seu objetivo se souber aonde quer chegar. Faça um paralelo com o seu trajeto diário, de casa para o escritório. Você está em um ponto e quer chegar a outro. Qual a melhor forma para chegar até o outro ponto? De carro, de taxi, a pé, de metrô, de bicicleta, ou utilizando um app de transporte?

Viu como existem diversas opções? Agora é a hora de definir os parâmetros. Algumas modalidades podem ser mais rápidas e caras, outras mais lentas e baratas. Existe um meio termo? Qual será o melhor método? E em dias de chuva? Será que o meio será o de sempre? E se eu fizer uma variação dos meios de acordo com os dias da semana?

De fato, existem muitas variáveis que precisam ser levadas em consideração. Definir esse “meio de transporte” vai ajudar você a cumprir suas metas. Coloque as situações sobre a mesa, escolha a mais adequada, pode ser inclusive a combinação gerada por mais de uma opção, e siga rumo ao seu objetivo final. A escolha do caminho e do meio vai evitar desvios no percurso e manter você focado.

2. Foco é importante. Mas, flexibilidade também

Você é daqueles que chegam ao escritório e já sabe exatamente o que irá fazer naquele dia? Então você já tem meio caminho andado para ser um líder produtivo. Foco e organização caminham de mãos dadas.

Tente resolver pequenas tarefas assim que você chegar e deixe as mais longas para o decorrer do dia. Assim você consegue se concentrar e evitar pausas durante a execução da tarefa maior.

Esse modelo de trabalho é interessante, mas você não precisa ser inflexível a ponto de ignorar outras tarefas menores, como um telefonema ou e-mail que chega.

3. Seja transparente na comunicação

Você lida diariamente com seus colaboradores e precisa que eles executem tarefas ao longo do dia para que a empresa caminhe. É imprescindível que a comunicação com eles seja absolutamente clara e transparente.

Erros na comunicação podem fazer com que os colaboradores não sigam à risca a tarefa e desviem do objetivo. Já pensou no retrabalho, na perda de tempo e no desgaste que você terá com esse funcionário? O acompanhamento e a supervisão deverão ser refeitos. E você, que é o líder, vai precisar de mais tempo para isso.

Para a comunicação com os seus colaboradores funcionar, é importante manter um canal aberto e dialogar o tempo todo. Dessa forma, você pode inclusive detectar falhas no caminho e corrigir o curso das tarefas a tempo.

Estimule o desenvolvimento de competências complementares dentro do time com foco na capacidade analítica e critica, não consuma a atenção e energia com atividades mecânicas passíveis de automação – “substituía músculos por neurônios”.

4. Seja resiliente

A resiliência é uma palavra que eclodiu recentemente no meio corporativo. Trata-se da capacidade de lidar com um problema, ser adaptável as mudanças e superar obstáculos com persistência e criatividade.

Em um mundo onde a velocidade tecnológica desafia os padrões tradicionais a todo instante, a resiliência é importantíssima. Faça reavaliações periódicas do seu modelo, questione novos formatos e alternativas. Converse com seus sócios e outros empresários para ter um termômetro de como andam outras companhias do seu setor.

Pense que você não pode gastar mais energias em um modelo obsoleto que tende a ser descontinuado.

Por isso, é preciso identificar mudanças de rumo e focar no que é realmente importante.

Egton Pajaro – Empresário

fonte: http://www.administradores.com.br/noticias/negocios/4-coisas-para-fazer-agora-mesmo-e-ser-um-lider-mais-produtivo/120559/

Como a transformação digital impactará a gestão de negócios e pessoas

A migração para o mundo digital exigiu – e ainda exige – a digitalização das empresas por meio da automação dos seus processos de negócios

Nas últimas décadas, a internet e a tecnologia transformaram radicalmente a sociedade – e, consequentemente, o mundo dos negócios. Em um primeiro momento, essa mudança afetou os veículos de mídia, que precisaram criar conteúdo on-line e modernizar as plataformas. Depois, foi a vez de o comércio entrar no mundo digital com as lojas virtuais, em busca de facilitar a vida das pessoas.

Atualmente, com o alcance cada vez maior das redes sociais e de tecnologias como inteligência artificial, internet das coisas e big data analytics, as empresas de todos os setores precisam se reinventar para manter a sua competitividade no mercado. De acordo com a pesquisa Global Human Capital Trends, realizada pela Deloitte em 2017, quase 90% dos líderes empresariais e de Recursos Humanos consideram como a sua principal prioridade a construção da organização do futuro. Competitividade: Descubra com a TOTVS como aplicar a transformação digital no seu negócio Patrocinado 

Esse avanço da tecnologia também afetou drasticamente os hábitos dos consumidores na sua forma de interagir, comprar e se relacionar. Isso exige das organizações uma resposta mais ágil e eficiente para essas novas necessidades, algo que as empresas do século 19 têm dificuldades para entender.

Porém, as pessoas precisam ser o alvo preferencial desses novos modelos que acompanham as mudanças tecnológicas, o que garantirá a melhora dos processos corporativos. É preciso entender que a tecnologia, por si só, não trará mudanças de impacto, mas sim as estratégias utilizadas para implantá-la.

Neste cenário de transformação, surge a necessidade de um RH estratégico e digital dentro das companhias, capaz de estimular uma mudança cultural e de incentivar o uso da tecnologia de people analytics para identificar e gerir talentos. Se antes o foco do departamento de Recursos Humanos eram os processos, hoje está voltado para melhorar a proposta de valor da empresa e os níveis de performance, engajamento, espirito de colaboração e trabalho em equipe.

Na empresa do futuro, o aprendizado contínuo é fundamental para o sucesso dos negócios, e os gestores conseguem inspirar os colaboradores a inovar e a se reinventar. Por isso, as áreas de treinamento, desenvolvimento e gestão de pessoas devem atuar como parceiras de negócios. Utilizar ferramentas de gestão de talentos, performance, feedback e análise cruzada de dados se torna essencial para entender a relação entre as pessoas e o mercado, por meio de sistemas cognitivos e preditivos.

A maioria das empresas não estão prontas para esse novo cenário, mas entendem que precisam se modernizar para sobreviver. Em alguns anos, aqueles que não compreenderem o impacto da tecnologia no mercado ficarão para trás. Saber competir digitalmente será fundamental para as organizações que quiserem manter a competitividade e o crescimento no mercado.

Claudia Regina Araujo dos Santos — Especialista em gestão estratégica de pessoas, palestrante, coach executiva e diretora da Emovere You (www.emovereyou.com.br).

fonte: http://www.administradores.com.br/noticias/negocios/como-a-transformacao-digital-impactara-a-gestao-de-negocios-e-pessoas/121102/

10 maneiras de multiplicar seu faturamento com a ajuda do Whatsapp

O aplicativo se consolidou não só como o meio mais popular de comunicação individual, mas também na ferramenta mais eficiente para marcas, profissionais e organizações públicas

iStock

A comunicação mobile se consolidou há pouco tempo, mas já dita as regras na internet. Empresas que não investirem em estratégias eficientes de comunicação via dispositivos móveis tendem a perder clientes e consequentemente espaço. Já não basta apenas criar uma página no Facebook e um perfil no Instagram para ter presença digital. É preciso ir mais longe e desenvolver um relacionamento com o cliente onde ele mais está. E esse lugar é o Whatsapp. Por quê?

“Porque é o único meio de alcançar pessoas em qualquer lugar, a qualquer hora do dia ou da noite. Pintou aquela bolinha verde, assim que você sair da reunião, desligar o telefone, for almoçar, atender seu filho, parar o carro, tomar um café, ir ao banheiro, estiver na fila de um banco, dentro de um ônibus ou trem você vai ler”, acredita Ricardo Barbosa, Coordenador Nacional da WhatsDay, empresa que presta serviços de mensagens através do app WhatsApp.

O mensageiro instantâneo já conta com mais de 1 bilhão de usuários, sendo 100 milhões deles apenas no Brasil, o segundo país no mundo em número de clientes, segundo pesquisa da Conecta/Ibope, realizada em dezembro de 2015.

Ao todo, os usuários dedicam pelo menos 84 minutos por dia ao app, sendo 77% do acesso feito em casa ou no trabalho. O app de mensagens já é mais relevante que outras plataformas mais antigas como o Facebook (79%), além do Youtube (60%) e Instagram (37%). Na pesquisa do Ibope, WhatsApp apareceu com 93% de relevância.

Além disso, o WhatsApp foi considerado mais importante do que apps utilizados em áreas educacionais, empresariais e de entretenimento, como Google, Gmail, Snapchat e todos os aplicativos de bancos que funcionam no Brasil. Com isso, o app passou a ser utilizado por diversas empresas como uma ferramenta de contato com o cliente, seja na venda ou no atendimento. Por outro lado, empresas se especializaram em prestar serviços através do WhatsApp, como é o caso da WhatsDay.

Empresa pioneira o WhatsDay, desde 2014, vem desenvolvendo soluções empresariais no WhatsApp. Ela trata do gerenciamento da informação, organizando e sistematizando a comunicação entre empresas e seus diversos públicos.

“Com ferramentas exclusivas e um banco de dados de mais de 200 milhões de números móveis atualizados, a WhatsDay é considerada a maior empresa do Brasil em comunicação via Whatsapp”, revela Barbosa.

Ricardo Barbosa, Coordenador Nacional da WhatsDay

Abaixo você confere uma lista com dez motivos para utilizar o WhatsApp em seus negócios, elaborada em parceria com o WhatsDay:

1) Prospecção

O número do celular de um usuário não é algo impossível de se descobrir. Diversas empresas pedem o contato em cadastros e outras solicitam o número em serviços específicos, como, por exemplo, para conectar ao Wifi de um determinado local. Com isso, empresas podem aproveitar a informação e oferecer serviços ou produtos conforme a localização e o interesse específico daquele cliente. Em um festival, por exemplo, clientes podem receber alertas e promoções específicas em seus celulares durante a realização do espetáculo.

“No Whatsapp é possível trabalhar exclusivamente com seu público-alvo primário reduzindo investimento e otimizando resultados. Para segmentar seu público-alvo primário você precisa saber se quem compra mais são homens ou mulheres, estreitar o máximo a faixa etária consumidora, definir estado civil, se são pessoas com ou sem filhos, localização e renda individual ou familiar. Esse conjunto de informação é vital para o sucesso da sua campanha. Hoje é possível também filtrar empresas por CNAE, porte e faturamento e até mesmo pessoas por profissão.”, explica o especialista do WhatsDay.

2) Fidelização

Caso o cliente seja conquistado e seu contato armazenado na plataforma, é possível programar uma série de benefícios no intuito de fidelizá-lo. Por exemplo: se o seu cliente compra uma TV, a empresa pode oferecer um sistema de som ou de antenas através do WhatsApp, ao mesmo tempo que felicita o comprador pelo produto adquirido.

“Além de ações promocionais e de vendas, gerar conteúdo pertinente é fundamental para manter o cliente engajado e compartilhando informações. Deixe de lado produções e criações rebuscadas, pegue o celular faça você mesmo um vídeo com dicas e curiosidades sobre sua empresa, produtos e serviços, coisas que não estão nos vídeos institucionais, materiais impressos e online, aquilo que o torna diferente dos concorrentes. Essa é a magia do WhatsApp”, orienta o coordenador nacional do WhatsDay.

3) Relacionamento

Pelo WhatsApp é possível montar toda uma rede de suporte ao cliente, seja no pré, durante ou no pós venda, construindo assim um relacionamento com toda a comodidade do app mais utilizado pelos brasileiros.

4) Geração de vendas

Entre outras coisas, o WhatsApp permite a filtragem de pessoas por interesses, sexo, idade, localização e assim identificar grupos de interesse e investir em campanhas e descontos específicos para este possíveis compradores. Essas são apenas algumas das várias possibilidades que o app permite aos seus administradores.

5) Marketing

A ferramenta é uma ótima opção para quem quer lançar algum produto e não tem grandes verbas para comerciais na TV, por exemplo. Por ser bastante popular, um simples link ou imagem espalhada pelo WhatsApp pode ter um alcance muito superior que os modelos tradicionais de marketing.

6) Relatório mensal

Algumas ferramentas oferecem recursos como a entrega de relatórios mensais sobre os usuários e as mensagens enviadas. Na WhatsDay, por exemplo, o contratante recebe um relatório completo com a lista de celulares que receberam a mensagem programada, além das respostas enviadas pelos clientes, o horário e o tipo de público. O recurso melhora a percepção da empresa sobre o seu público e mostra a efetividade do serviço de acordo com a proposta.

7) Sorteios

É comum vermos sorteios no Facebook ou no Instagram. Agora também é possível dentro do WhatsApp, através do número de usuário cadastrado, gerando expressiva lembrança de marca.

8) Pesquisas de satisfação

Através do WhatsApp é possível consultar a satisfação dos clientes sobre o produto ou serviço disponibilizado através de links externos, acessíveis por meio da plataforma. Com isso, empresas podem evitar que e-mails de pesquisas de satisfação sejam jogados na caixa de spam de seus usuários. Além disso, é possível agradecer ao cliente e conquistá-lo com pequenas ações dentro da plataforma.

“Você já teve aquela sensação de se sentir valorizado por uma empresa? Esse sentimento só ocorre após a venda, quando você recebe aquele agradecimento demonstrando o quanto você é importante e o quanto a empresa preza pela sua constante presença. Normalmente recebemos um e-mail, um impresso, uma abordagem fria. Seja grato ao seu cliente que comprou hoje, comprou a 1 mês, 1 ano, 5 anos. Envie um áudio ou vídeo, ou até mesmo um texto com o nome do seu cliente falando o quanto ele é importante. Ele vai compartilhar essa informação”, indica Barbosa.

9) Atendimento ao consumidor

Com o WhatsApp você alcança as pessoas onde quer que elas estejam: na correria do trabalho, durante as refeições, em trânsito, qualquer hora do dia ou da noite. Com isso, o atendimento ao consumidor não fica limitado ao pouco tempo livre que ele possa ter, já que a troca de informações pelo app pode ser feita com facilidade e rapidez. Além disso, o atendimento por telefone evita um problema típico enfrentado nos SACs: o tempo perdido pendurado em linhas telefônicas convencionais.

10) Flexibilidade na comunicação

O WhatsApp permite o envio de mensagens de texto, imagem, áudio, vídeo, gifs animados e arquivos de leitura como PDF. Isso facilita a interação e a troca de informações entre cliente e empresa. Em alguns momentos, o envio de áudios pode gerar uma confiança extra para clientes inseguros e em dúvida, flexibilizando o atendimento.

“Além dos segmentos tradicionais como hotéis, shoppings, parques temáticos e empresas de varejo, hoje já existem cases até de empresas de cobrança. Se você tem uma vantagem ou oportunidade para seu cliente, o único meio com 100% de garantia de leitura é o WhatsApp”, finaliza o Coordenador Nacional do WhatsDay, Ricardo Barbosa.

fonte: http://www.administradores.com.br/noticias/negocios/10-maneiras-de-multiplicar-seu-faturamento-com-a-ajuda-do-whatsapp/120581/

A arte de contratar empregados: quatro passos para o sucesso

O empresário consciente analisa resultados e deixa de lado a emoção para tomar decisões importantes para o negócio

iStock

Não há dúvidas de que o planejamento é o primeiro passo para um negócio de sucesso e também um ponto de partida capaz de guiar o empresário na fundamental tarefa de contratar funcionários sabendo bem o que se espera deles, quais os resultados esperados e ainda deixar claras as expectativas a todos os contratados.

Contudo, esse não é um processo simples, precisando uma atenção redobrada para encontrar o perfil ideal e não sofrer com demissões e substituições. Para simplificar, veja alguns pontos a serem levados em conta: Por dentro do assunto: Descubra com a Xerpa como utilizar a tecnologia para otimizar os processos de recrutamento Patrocinado 

Defina bem o cargo – A criação de um perfil de cargo com tudo o que se espera da função e detalhes sobre o dia a dia é um ótimo guia antes de contratar. A partir daí é possível determinar as características pessoais desejáveis para o cargo, se é uma função mais indicada para homens ou mulheres, qual a melhor faixa etária, se o candidato estuda, se possui flexibilidade de horário, estabelecer o valor da remuneração, benefício e se há plano de carreira.

Faça processo seletivo – Decididas as características da função e o perfil do empregado, é hora de selecionar candidatos. Nesse momento, a aplicação de testes como uma redação que aborde o trabalho em equipe, por exemplo, poderá indicar o tipo de personalidade e o perfil de quem concorre a uma vaga de emprego.

Pesquise melhor – Se aprovado nos testes básicos, vale à pena realizar uma pesquisa sobre o candidato que se pretende contratar. E o motivo é simples: saber se a pessoa é compatível com a empresa e a função. Vale usar Facebook, Linkedin, empresas de proteção ao crédito como SERASA e SCPC, delegacias para obter certidão de antecedentes, fóruns cíveis, criminais e trabalhistas. Toda informação é importante na hora de decidir quem fará parte da equipe da empresa no dia a dia.

Avalie o tempo de experiência – O início do trabalho conta com 90 dias, período de experiência, os quais são divididos em 45 dias prorrogáveis por mais 45. Esse período é crucial para conferir a compatibilidade de humores para boa convivência e se o trabalho trará os resultados esperados, a análise números independente da função dará os subsídios necessários para avaliação do desempenho. Pontualidade, ausência de faltas, defesa dos interesses da empresa e a observação dos resultados do trabalho são indicadores essenciais sobre o rendimento do empregado e constituem um pilar importante para a obtenção do resultado financeiro que possibilita o pagamento de salários, benefícios e ainda trazer o lucro necessário à sobrevivência da empresa.

O empresário consciente analisa resultados e deixa de lado a emoção para tomar decisões importantes para o negócio, portanto, é fundamental formar uma equipe de profissionais responsáveis, comprometidos e confiáveis. Além disso, o apoio de parceiros como advogados e contadores podem fazer uma grande diferença para o desempenho de uma empresa.

Gilberto Bento Jr — Advogado especialista na área trabalhista e presidente da Bento Jr. Advogados (www.bentojradvogados.com.br ).

fonte: http://www.administradores.com.br/noticias/negocios/a-arte-de-contratar-empregados-quatro-passos-para-o-sucesso/120586/

Mudança de carreira: a busca pela autorrealização

É comum que em algum momento da nossa trajetória profissional venhamos a nos perguntar se não é a hora de dar uma guinada de carreira

iStock

Uma das grandes escolhas de nossas vidas acontece ainda na adolescência, quando saímos do ensino médio e escolhemos que profissão seguir entre centenas de possibilidades de nível técnico ou superior.

Essa escolha geralmente é baseada em uma série de fatores que envolvem não só nossos gostos e aptidões, mas opiniões de familiares, amigos, ou alguma atividade profissional que já esteja envolvido na adolescência, por exemplo.

No entanto, com o passar do tempo, novos interesses podem surgir e é comum que em algum momento da nossa trajetória profissional venhamos a nos perguntar se não é a hora de dar uma guinada de carreira.

Abrir o próprio negócio, mudar de área, enfim, dar novos rumos à atuação. Muitas transformações de carreias ocorrem após momentos em que a pessoa começa a rever sua trajetória e buscar um sentido maior no trabalho.

As razões para a realização dessa mudança são diversas, os profissionais podem estar em busca de uma remuneração melhor, mais qualidade de vida ou mais satisfação na atividade a ser desenvolvida.

Segundo, Joseane Freitas, Idealizadora e Diretora de Pesquisa da Perfix Consultoria, empresa especializada em processos de gestão de carreira, nesses casos a palavra chave é planejamento. ‘Para realizar de forma eficaz uma mudança profissional é preciso ter bem definido seus objetivos e com isso elaborar um plano de transição de carreira bem formulado, confiável e seguro’.

Abaixo Joseane lista algumas dicas para realização desse processo da melhor forma possível:

Objetivo – Você já sabe qual é a nova área de atuação que pretende seguir, portanto uma das principais tarefas é saber quais as competências exigidas para essa nova atividade. ‘Quais os conhecimentos obrigatórios?’ ‘O que é considerado um diferencial na área?’ ‘Qual(is) curso(s) você deverá fazer?’, enfim, é importante coletar o máximo de informação possível sobre a área.
Estude! – Sabendo quais competências e conhecimentos são necessários para a nova área de atuação, invista nos estudos. Uma mudança de carreira envolve novos aprendizados e conhecimentos técnicos.

Prepare-se para o recomeço – Sempre que começamos uma nova jornada precisamos subir um degrau de cada vez, portanto, é imprescindível planejar bem sua vida financeira para iniciar essa fase de transição. O processo de entrada no Mercado de trabalho sera iniciado do zero, logo, possivelmente haverá redução nos ganhos até se chegar a um patamar mais elevado na profissão. Tudo começa com o pedido de demissão: A Xerpa te mostra o que é necessário fazer e quais são as regras Patrocinado 

Ajuda profissional – O processo de transição de carreira envolve uma reestruturação geral na vida, é preciso adquirir de novos estudos e competências, assim como o remanejamento pessoal e financeiro em busca desse novo objetivo, e muitas vezes as pessoas podem acabar se perdendo, dessa forma pode ser importante procurar ajuda de um profissional especializado que irá ajuda-lo ao longo de todo o processo de transição.

Perseverança – Como tudo na vida, a transição de carreira é um processo, ele não acontece da noite para o dia, é preciso estar preparado para continuar caminhando mesmo quando houver frustração ou desânimo. Coragem, determinação e atitude são qualidades indispensáveis para se alcançar o sucesso.

fonte: http://www.administradores.com.br/noticias/carreira/mudanca-de-carreira-a-busca-pela-autorrealizacao/120518/28

Como tornar a sua publicidade em mídias sociais menos intrusiva

Ao discutir abertamente tópicos relevantes para os seus clientes, você se torna mais valioso para eles como empresa

iStock

É cada vez maior a popularidade de softwares que bloqueiam anúncios em redes sociais. Segundo o relatório de tendências da Internet divulgado neste ano pela Kleiner Perkins Caufield & Byers (KPCB), empresa que, entre outras atividades, analisa tendências de crescimento da internet e tecnologias digitais, aproximadamente 400 milhões de dispositivos móveis e 240 milhões de desktops usaram softwares de bloqueio de anúncios em 2016.

Entre os fatores que levam o consumidor a ocultar anúncios online, estão a baixa qualidade e a relevância dos anúncios – algo que pode ser corrigido através do aprimoramento de sua estratégia de conteúdo e segmentação.

O mais difícil de resolver é a supersaturação de plataformas de redes sociais com anúncios de baixa qualidade. Com mais de 4 milhões de anunciantes apenas no Facebook, as equipes de marketing têm que trabalhar arduamente para criar um excelente conteúdo que ajudaria a sua marca a se destacar e, ao mesmo tempo, estivesse de acordo com os interesses do seu público.

Fuja de autopromoções com uma estratégia de publicidade atrativa

Conhecer a sua audiência é essencial quando se trata de publicidade eficaz. Ao entender as características do seu target, você pode facilitar a criação de conteúdos poderosos que incentivarão os consumidores a desfrutar e não esconder os seus anúncios.

Conheça a sua audiência

O relacionamento que você está construindo com seu público deve estar baseado na coleta e análise de todas as informações disponíveis. Quanto mais você conhece os usuários que seguem a sua empresa nas mídias sociais, mais anúncios personalizados serão desenvolvidos. Como resultado, você será capaz de produzir conteúdo relevante para seus clientes sem parecer intrusivo.

Veja como aprender sobre o seu público:

● Facebook Audience Insights – esta é uma ótima fonte de informações detalhadas sobre a sua comunidade, incluindo demografia, interesses e até estilos de vida.

● Pesquisas – a realização de pesquisas pode fornecer respostas a perguntas específicas sobre o seu negócio que muitas vezes são impossíveis de aprender de outra forma.

● Monitoramento de engajamento – buscar o seu conteúdo que gerou mais engajamento com uma ferramenta de análise de redes sociais permite identificar com precisão o comportamento e preferências do seu público.

Interaja com a sua comunidade

Criar experiências publicitárias contínuas não significa apenas envolver o seu público, mas também convidá-lo para um diálogo ativo. A interação diária com seus fãs e seguidores é fundamental para humanizar a sua marca e ganhar a confiança do cliente.

Todas as perguntas e comentários publicados na sua página são oportunidades perfeitas para provocar um debate – possivelmente envolvendo os seus produtos ou serviços. Não perca esta chance e encaminhe a sua empresa nas conversas sempre que for apropriado.

Aproveite os últimos destaques das redes sociais

Com o apoio da ferramenta correta, é possível descobrir conteúdos com grande popularidade na web. Seja uma ativação global ou regional, sempre há uma maneira de aproveitar este conteúdo para elevar a interação da sua marca. A chave é ser atual e criativo. Ao alinhar os seus anúncios com as discussões e últimos acontecimentos em destaque nas redes sociais, certamente os tornará menos intrusivos.

Dicas para você levar

Os usuários de Internet estão cada vez mais frustrados com anúncios de mídias sociais insensíveis e inautênticos. Para reverter este cenário, os anunciantes precisam repensar as estratégias de marketing existentes e se concentrar em conversar ao invés de empurrar conteúdo para o seu público.

Ao discutir abertamente tópicos relevantes para os seus clientes, você se torna mais valioso para eles como empresa. Com isso, fortalece a sua presença e vínculo online com a sua comunidade, melhorando assim a eficácia dos anúncios e tornando-os mais assertivos a ponto de reduzir os custos de publicidade. No contexto: A WorldSense associa seu conteúdo a canais premium com links em matérias quentinhas. Peça seu demo! Patrocinado 

Marta Buryan — Social Media Analyst da Socialbakers, é uma autenticidade no mundo da publicidade em mídia social. A executiva tem uma grande variedade de textos publicados sobre plataformas de redes sociais e marketing.

fonte: http://www.administradores.com.br/noticias/marketing/como-tornar-a-sua-publicidade-em-midias-sociais-menos-intrusiva/122596/