Funcionários desmotivados no trabalho: como reverter a situação

A mudança do mindset organizacional melhora o desempenho das empresas e alavanca resultados

Segundo o Índice de Saúde Organizacional, recente pesquisa realizada e divulgada pela consultoria McKinsey, os brasileiros estão entre os mais desmotivados profissionalmente. O estudo com 82 empresas que somam 170 mil funcionários diz que a motivação profissional nem sempre está vinculada ao salário. Um dos maiores motivos para a falta de ânimo no trabalho é que a maioria dos colaboradores gosta de se sentir parte da empresa, estão buscando inovar, mas muitas vezes não recebem nenhum incentivo da liderança.

A pesquisa mostra também que aumentar o senso de responsabilidade das pessoas, de uma forma que elas se sintam parte do negócio e acreditem que o que fazem tem valor e é reconhecido, é uma das principais maneiras para motivar os funcionários.

“É importante desenvolver um certo grau de autonomia, quanto mais o trabalhador estiver envolvido, maior a probabilidade de atuar utilizando o mindset de crescimento e de trazer bons resultados para a empresa”, afirma Solange Mata Machado, autora do livro “Desconstruindo o Mindset e Construindo Inovação”, publicado pela editora Évora. Abaixo, ela explica como alterar a programação mental para alavancar resultados tanto para os funcionários quanto para as empresas, fazendo com que se sintam mais motivados.

Mindset e a cultura organizacional

O conceito de mindset está centrado na crença de se poder ou não alterar os traços pessoais. “No mindset fixo, as pessoas acreditam que tais características são inatas e não podem ser alteradas. Já no mindset de crescimento, são aquelas que creem no controle e mudança dessas características, a partir do esforço”, conta a autora. Ao utilizar os dois, é possível adquirir a capacidade de olhar para o presente enquanto se pensa no futuro.

As empresas tradicionais, criadas com base no comando-controle tendem a desenvolver o mindset fixo, pois privilegiam o status e a certeza em detrimento da autonomia. Por outro lado, as startups, por exemplo, desenvolvem culturas organizacionais que fomentam a inovação e a criatividade, incentivando a autonomia e os relacionamentos sociais. Essas dimensões incentivam o mindset de crescimento.

A autonomia é reconhecida pelo nosso cérebro como um processo de recompensa, que aumenta nossa atenção e impulsiona a vontade de transformar e colaborar. “Fazer um mapeamento das habilidades dos funcionários, determinando tarefas e responsabilidades, mas dando liberdade para a tomada de decisões é um passo importante para incentivar essa autonomia. Compartilhar conhecimento e informações que melhorem o desempenho e demonstrar confiança no funcionário também ajuda nesse processo”, explica Solange.

O que as empresas precisam se perguntar é como identificar os mindsets em seus funcionários para incentivá-los em um processo de aprendizado contínuo, demonstrando interesse naquilo que é pensado e realizado por esses trabalhadores. “Dessa maneira, eles se sentirão confortáveis e produtivos nas funções em que atuam”, finaliza a autora.

*Solange Mata Machado 
é diretora-executiva da Imaginar Solutions. Doutora e mestre em inovação e competitividade pela FGV com pós-doutorado (pós-doc) em neurociência aplicada à tecnologia pela UFMG.

fonte: https://administradores.com.br/noticias/funcion%C3%A1rios-desmotivados-no-trabalho-como-reverter-a-situa%C3%A7%C3%A3o

Por que o comportamento dos líderes precisa mudar?

“Por décadas a figura ideal de um líder de sucesso foi o de uma pessoa que trabalha 18 horas por dia na maioria dos dias do ano”

Não é comum a relação entre as palavras líder e equilíbrio. O único conceito que “aproximou” essas duas palavras foi o de inteligência emocional, mas ainda assim não no seu sentido mais amplo e adequado.

Por décadas a figura ideal de um líder de sucesso foi o de uma pessoa que trabalha 18 horas por dia na maioria dos dias do ano, tem hábitos alimentares que dariam inveja ao Garfield, coloca a própria a família em segundo plano, usa toda a sua saúde para crescer na carreira e ter um bom plano de assistência médica (pois sabe que em breve vai precisar de um muito bom), não tem tempo nem para uma simples caminhada, e não faz ideia do que seja autoconhecimento.

Esses líderes “ideais” são agora clientes VIP dos melhores hospitais e clínicas psiquiátricas, vivendo a base de remédios e cada vez mais frustrados em suas altas posições se perguntando secretamente o motivo de não estarem satisfeitos mesmo tendo obtido tanto sucesso na carreira.

Acontece que ninguém nunca contou para esses profissionais algo muito elementar e inerente a todos os seres humanos; independente das nossas crenças, todos nós somos constituídos por três pilares básicos: físico, mental e espiritual.

Nosso corpo físico é um sistema que aprendemos a sabotar desde a mais tenra infância sob o apoio e influência dos nossos próprios pais, que apenas repetem comportamentos aprendidos em um ciclo vicioso sem fim. A escolha por se alimentar de produtos processados aliada ao estilo de vida sedentário tem levado cada vez mais pessoas a um último terço da vida triste, muitas vezes desejando já ter partido muito tempo antes.

Já a nossa mente ainda hoje é um dos assuntos mais estudados pela ciência devido à grande falta de entendimento sobre como ela funciona. O resultado desse desconhecimento é um descontrole de funções muito poderosas, como a memória e a imaginação, que podem, se bem usadas, nos levar a conquistas inimagináveis ou a doenças como a depressão ou síndrome do pânico.

Entender como a sua mente e a mente dos seus liderados funciona é uma das principais habilidades de um líder verdadeiramente completo, o líder do futuro! Mas isso, infelizmente, não é algo que nos ensinam na escola, nem na faculdade e nem no MBA. Como uma pessoa pode controlar uma habilidade que não tem ideia de como funciona? E pior ainda, como essa mesma pessoa pode liderar centenas, por vezes milhares de pessoas sem ter controle da sua própria mente?

O último pilar que compõe todas as pessoas e, consequentemente, todos os líderes, é o espiritual. Na maioria das vezes, ele passa bem longe de qualquer aspecto religioso e é altamente subestimado ou até sufocado propositalmente. Pessoas com um alto QE (quociente espiritual) são pessoas que priorizam a prática do autoconhecimento, são conduzidas por valores e ideais, usam a adversidade como uma ponte para crescer, pois as observam como oportunidade, e conseguem deslocar a sua própria visão e colocá-la em uma outra perspectiva ao olhar para uma determinada situação. O respeito e o acolhimento pela diversidade sequer é uma questão para elas, são curiosas e tem insights que nos levam à aquela famosa pergunta: como ninguém pensou nisso antes?

Por outro lado, as demais pessoas olham para eles e têm as seguintes reações: “o que posso fazer para conseguir moldar aquela pessoa?”; “ela tem algo diferente que não sei bem o que é.”; “essa pessoa ilumina o ambiente quando chega.”; “essa pessoa tem um olhar diferenciado”.

Estamos em um processo constante de evolução e caminhamos para um momento em que o líder ideal será alguém que busca continuamente o equilíbrio entre esses três pilares, pois já aprendeu que sem equilíbrio o caminho leva a extremos que de um lado e de outro não traz satisfação, realização e o sentimento de propósito que tanto buscamos em nossas vidas.

*Zenaldo Magalhães é diretor de Operações na Concentrix Brasil, companhia global especializada em outsourcing e em prestação de serviços.

fonte: https://administradores.com.br/noticias/por-que-o-comportamento-dos-l%C3%ADderes-precisa-mudar

Como liderar uma equipe: 5 razões pelas quais os colaboradores se demitem

O que leva sua empresa a perder um bom funcionário – e o que fazer para evitá-lo?

Você sabe quais são as 5 razões pelas quais os melhores colaboradores se demitem de uma empresa – mesmo quando gostam do trabalho?

Para ser o melhor em seu segmento, você deve primeiramente encontrar seus melhores funcionários. Perder qualquer um deles pode ser terrível, pois gera despesas para encontrar, integrar e treinar um substituto, e com isso o resto da equipe também sofre até que a vaga seja preenchida novamente.

No vídeo abaixo, ajudamos você a entender o que pode levar sua empresa a perder um de seus colaboradores – e agir para que isso possa ser evitado:https://www.youtube.com/embed/p4YEBS8b1U0

Inscreva-se no canal oficial do Portal Administradores no YouTube e confira conteúdos como esse, incluindo videoaulas, entrevistas e extenso material de pesquisa sobre Marketing, Finanças e Recursos Humanos.

fonte: https://administradores.com.br/noticias/como-liderar-uma-equipe-5-raz%C3%B5es-pelas-quais-os-colaboradores-se-demitem

Dinheiro não traz felicidade? Conheça as 4 bases para uma vida feliz

Será que a busca por riqueza e bens materiais é suficiente?

Você sabia que o segredo da felicidade está no seu cérebro?

Muitas pessoas acham que a fonte de uma vida feliz é a riqueza. Dinheiro é necessário e muito útil para viver, mas apenas bens materiais não trazem felicidade.

Confira no vídeo abaixo as 4 bases para te levar a uma vida feliz – que não tem nada a ver com riqueza:https://www.youtube.com/embed/my-e2it_YEk

Inscreva-se no canal oficial do Portal Administradores no YouTube e confira conteúdos como esse, incluindo videoaulas, entrevistas e extenso material de pesquisa sobre Marketing, Finanças e Recursos Humanos.

fonte: https://administradores.com.br/noticias/dinheiro-n%C3%A3o-traz-felicidade-conhe%C3%A7a-as-4-bases-para-uma-vida-feliz

6 motivos para entender que a inovação tecnológica não é coisa do futuro

A inovação tecnológica nas empresas já não é uma tendência, mas, sim, um mecanismo de sobrevivência, diante da acirrada competitividade no mercado

Que a inovação tecnológica vem revolucionando a forma das empresas fazerem negócios não é novidade. Mas a rapidez com que esses recursos estão evoluindo, e o quanto exponenciam resultados, talvez ainda não seja de amplo conhecimento.

É difícil imaginar a dinâmica de empreendimentos, de todos os portes, não ser afetada por essa modernização. E, por isso, fica a reflexão: qual a relação do seu negócio com as tecnologias? O assunto recebe cada dia mais destaque no mundo dos negócios, e empresas de todos os tipos e tamanhos têm investido pesado nessa estratégia.

Separei algumas dicas com novidades e os seis principais motivos para que as pequenas e médias empresas precisam aportar na tecnologia.

1. Agilidade nos processos

Os avanços tecnológicos modificaram bastante a forma de atuação das empresas. No cenário atual, boa parte das atividades são realizadas pelas máquinas, sobretudo aquelas repetitivas. Hoje, esses equipamentos vêm adquirindo inclusive a capacidade de raciocinar.

O uso de softwares modernos simplifica e agrega velocidade em todos os setores — o que levaria horas ou dias para se executar manualmente, essas ferramentas conseguem resolver em poucos minutos. E isso é benéfico tanto para grandes empreendimentos quanto os de pequeno e médio porte.

2. Redução dos custos

A implementação de tecnologias não é um processo simples, e depende de um investimento inicial que pode ser considerado caro por muitos empreendedores. No entanto, se analisarmos os resultados a longo prazo, a redução dos custos operacionais são bem evidentes e demonstram a eficiência da estratégia.

Ao automatizar tarefas, o gestor tem maior controle dos dados que são gerados na rotina empresarial e, consequentemente, uma melhor percepção daquilo que funciona bem, dos pontos fracos que necessitam de aprimoramento.

Dessa forma, ele consegue identificar gargalos com mais facilidade e distribuir corretamente os recursos. Além disso, o auxílio da tecnologia reduz significativamente os prejuízos causados por erros, pois eles passam a acontecer com menos frequência, e isso evita o retrabalho e desperdício de recursos.

Ademais, a automatização contribui para o melhor aproveitamento das equipes, que são liberadas dos trabalhos repetitivos e passam a desempenhar papéis estratégicos na organização.

3. Melhoria no controle de qualidade

O investimento em um bom software aumenta a capacidade de registro, organização e gerenciamento de dados sobre tudo o que se passa na empresa, inclusive dos históricos de relacionamentos com os seus clientes.

Com esse domínio, o controle sobre todas as operações e também sobre a qualidade dos seus produtos ou serviços é muito mais efetivo. Além de tornar os procedimentos mais ágeis, o uso de ferramentas modernas auxilia na manutenção de um padrão sempre elevado.

4. Atração e fidelização de clientes

Outro aspecto positivo da implementação de novas tecnologias é a otimização do relacionamento com os clientes. Em primeiro lugar, graças aos recursos das mídias sociais, as empresas conseguem estabelecer uma interação mais próxima com o público, o que representa uma excelente estratégia para gerar engajamento.

Para as etapas de atendimento, a Inteligência Artificial aprimora cada vez mais o tempo e a qualidade nas respostas aos consumidores, os chatbots.

A medida em que as tecnologias se tornam parte do funcionamento das empresas, inclusive as de pequeno e médio porte, o que se obtém é o aumento da sua capacidade de personalização, e não restam dúvidas de que clientes satisfeitos estão mais propensos à fidelização.

5. Engajamento e motivação dos colaboradores

A gestão de talentos é sempre um grande desafio para os empreendedores. Se você não oferece um ambiente de trabalho agradável, com as ferramentas necessárias para que os funcionários rendam mais, e uma gestão que os faça sentir valorizados, dificilmente vá conseguir manter a motivação do time.

Lembre-se de que profissionais engajados com a cultura da empresa e com os valores que ela gera no mercado são mais produtivos. E o uso das tecnologias é importante para se atingir esse objetivo — eles ficam, por exemplo, menos presos aos trabalhos repetitivos e sentem-se mais úteis.

6. Melhoria na comunicação

Uma das questões que colocam em xeque o desempenho de qualquer empreendimento é a falha na comunicação. Isso pode trazer desde problemas de desempenho até erros mais graves, que comprometam a imagem da marca.

Se funcionários e gestores não “falam a mesma língua”, se há ruídos na troca de mensagens, fica bem difícil manter um alinhamento de ideias, para fazer com que cada envolvido entenda o seu papel para o alcance das metas.

Por essa razão, é fundamental investir na comunicação interna do ambiente de trabalho. Hoje, há uma infinidade de recursos que facilitam os diálogos do dia a dia. Dentre eles, podemos destacar os softwares de gestão, que reúnem informações de todos os setores em uma única plataforma e ainda permitem o acesso remoto pelos envolvidos.

Nesse contexto, os sistemas de telefonia IP possibilitam o recebimento de chamadas do telefone comercial mesmo que o funcionário esteja fora da empresa. Além disso, temos os aplicativos de troca de mensagens e as ferramentas de telecomunicações em geral.

Implementar tecnologias para melhorar a comunicação interna garante à organização rapidez para solucionar suas demandas diárias e, assim, evitar dores de cabeça futuras.

Quais as consequências ao não aderir a inovação tecnológica?

A não inclusão de inovações tecnológicas nos processos corporativos pode desencadear uma série de consequências negativas, que vão resultar na perda de competitividade da empresa.

Em um mercado em que todos estão buscando alternativas que tragam eficiência e, ao mesmo tempo, economia de custos sem a perda da qualidade, ficar de fora dessa tendência pode custar a sobrevivência do negócio. Separei alguns dos principais efeitos: perda financeira, falta de informações exatas dos clientes e fornecedores, perda de venda, controle de compra e estoque ineficiente.

A inovação tecnológica nas empresas já não é uma tendência, mas, sim, um mecanismo de sobrevivência, diante da acirrada competitividade no mercado. Por isso, sua incorporação à rotina do empreendimento é um assunto que deve ser dominado com urgência. Os benefícios da estratégia são muitos e é melhor não perder tempo para usufruí-los.

Georgia Roncon é especialista em Gestão Empresarial e Marketing pela FGV. É cofundadora da AGE GROUP, que atua em Turismo, Investimentos e com Educação em Inovação e Tecnologia com o ECQ Lifelong Learning, que opera tanto no Brasil e nos EUA.

Gerenciamento de Conflitos no Atendimento ao Cliente

Saber gerenciar os conflitos em um atendimento é de fundamental importância, saiba como lidar com isso para reverter a situação ao seu favor

Saber gerenciar os conflitos em um atendimento é de fundamental importância, saiba como lidar com isso para reverter a situação ao seu favor, o 1º PASSO – GANHAR CONFIANÇA DO CLIENTE: Para gerar confiança na organização esse atendimento ou primeiro contato com o cliente é necessário que seja relevante, surpreendente e que atenda as expectativas dos mesmos. Lembre-se saiba falar a linguagem do cliente, independente do nível de instrução do mesmo. 2º PASSO – SABER O QUE MOTIVA O CLIENTE: Conheça as necessidades do cliente, para isso não é preciso só conhecer os atributos do produto, mais sim a real necessidade dos clientes, saiba ouvi-los com atenção. É importante você concluir com isso que precisa aumentar suas habilidades sejam elas intelectuais ou técnicas treinar como falar, ouvir, melhorar sua apresentação, aumentar o número de contatos atentando para a qualidade, conversar com pessoas que possam te trazer informações relevantes, atualidades dentre outras coisas que possam melhorar seu nível intelectual. 3º PASSO – DESENVOLVER A FLEXIBILIDADE PARA LIDAR COM OBJEÇÕES E CONFLITOS: Planeje sempre o que vai falar, esteja sempre preparado, tenha mais de uma opção para oferecer e seja flexível no momento certo, cuidado com a ansiedade em uma negociação você precisa passar confiança porem esteja pronto para receber um “não”, seja ético, tenha valores, lembre-se que negociar exige perguntas, coloque a outra pessoa para trabalhar quem faz as perguntas esta sempre no controle, ouça sempre com muita atenção, controle seus sentimentos pratique a tolerância e a arte da compreensão pois ninguém faz uma boa negociação insultando o outro e lembra-se de que as pessoas têm ego, a maior necessidade do ser humano é ser atendido use isso ao seu favor! Agora pense e responda:

fonte: https://administradores.com.br/artigos/gerenciamento-de-conflitos-no-atendimento-ao-cliente

Coaching: o caminho para o sucesso!

O processo de coaching leva a tomada de consciência, faz com que o coachee (pessoa que recebe o coaching) reflita sobre suas ações e no que poderá melhorar, potencializando escolhas e levando a mudanças.

O processo de coaching leva a tomada de consciência, faz com que o coachee (pessoa que recebe o coaching) reflita sobre suas ações e no que poderá melhorar, potencializando escolhas e levando a mudanças. O coach (profissional que executa o processo de coaching) tem como característica e foco principal ajudar seu coachee a produzir com excelência fazendo com que conquiste seus objetivos e os da organização. Os benefícios desse processo pode ser notado claramente, aumenta a auto estima, o colaborador torna-se mais produtivo, adquire confiança, clareza em seguir buscando atingir metas. Coaching consiste em conversações ou diálogos através da relação entre perguntas e respostas que mantém entre duas pessoas, coach e coachee. Deve levar a refletir nas respostas onde ele pode melhorar buscando sempre seu desenvolvimento profissional perguntas como por exemplo: “O que você precisa fazer para que isto dê certo?” é diferente de se perguntar : “Onde começou a dá errado”? Tudo é a forma de abordar o coachee, o tom de voz e a linguagem corporal também são super importantes.
Características de um Líder Coaching:
– Ser facilitador do desenvolvimento
– Atuar com generosidade
– Ser capaz de ajudar a descobrir os pontos fortes e as oportunidades de melhora
– Está sempre disposto a ajudar, tirando duvidas do coachee
– Ter credibilidade para passar segurança e profissionalismo
– Ser ético, o processo de coaching requer confiabilidade de ambas as partes
– Respeito pelas diferenças
– Geração de orgulho e reconhecimento
– Capacidade de escutar
– Gostar de se relacionar
– Paixão pelo desenvolvimento do outro
– Capacidade de observação
– Prudência
– Inteligência emocional
– Destreza no manejo de perguntas e respostas
É interessante citar o processo de autocoaching pois a partir de um artigo, livros ou ate mesmo um filme especializado no assunto pode auto desenvolver o processo de autocoaching estimulando o crescimento e desenvolvendo uma melhor postura profissional independente do nível de competência. Coaching se aplica tanto a um iniciante no assunto como também a um nível de alto executivos.

fonte: https://administradores.com.br/artigos/coaching-o-caminho-para-o-sucesso

Em 2021 contrate freelancers, economize 7 dicas.

Alguns dos melhores talentos possíveis para o seu negócio não estão à procura de um emprego de tempo integral – eles são freelancers. Freelancers constituem um dos segmentos de profissionais de crescimento mais rápido do Brasil.

As capacidades de trabalho remoto indicam que o freelancer não tem sinais de parar. Desde a pandemia, 60% dos não freelancers que começaram a trabalhar remotamente devido ao COVID-19 estão considerando trabalhar como freelancers no futuro.

Empresas e equipes de todos os tamanhos podem se beneficiar com freelancers no caminho para alcançar seus objetivos de negócios. De suporte ao cliente a desenvolvimento de comércio eletrônico, marketing de conteúdo e até mesmo web design, os profissionais que oferecem seus talentos por meio de serviços digitais podem fornecer trabalho significativo e acessível como freelancers para empresas.

Por que isso é uma boa notícia para as empresas? Aprenda como os freelancers podem ajudar a impulsionar o crescimento, como obter talentos conforme necessário e, o mais importante, como garantir um orçamento de trabalho freelancer da administração para ajudar qualquer empresa a maximizar a produtividade.

7 benefícios trazidos pelo freelancer

Lentamente, mas com segurança, o mundo está aceitando o fato de que a maioria dos trabalhadores em tempo integral não passa o dia inteiro concentrado em suas tarefas. Um estudo descobriu que a quantidade média de produtividade em um dia de trabalho completo era de apenas duas horas e 53 minutos. Outro estudo revelou que o trabalhador de escritório médio perde três horas por dia de trabalho de oito horas navegando na web, socializando com colegas de trabalho, se divertindo e – esta é a melhor parte – se candidatando a outros empregos.

Então, sem mais enrolaçoes, aqui estão alguns dos benefícios que você pode esperar com o freelancer:

Pagamento apenas por tarefas concluídas ! Além disso, você economiza em despesas gerais, benefícios de seguro e folgas remuneradas. Freelancers concluem o trabalho em prazos definidos e não gastam tempo em reuniões desnecessárias ou gargalos de processo.

Flexibilidade. Contrate-os apenas quando precisar de ajuda. Quando você trabalha com freelancers, novas equipes podem marcar tarefas em um cronograma previsível com um orçamento claro. Equipes estabelecidas podem dimensionar mais facilmente seus planos de roadmap com suporte especializado.

Acesso a talentos qualificados e economia em custos de treinamento. O relatório da CNBC descobriu que 59% dos freelancers tiveram treinamento de habilidades nos últimos seis meses, em comparação com apenas 36% dos não freelancers.

Capacidade instantânea. Colocar freelancers em projetos lhe dá a capacidade de combinar talentos específicos com suas necessidades específicas, evitando o incômodo de treinar a equipe atual para aprender uma nova habilidade para apenas uma tarefa.

Conjunto exponencial de talentos. Obtenha talentos com habilidades específicas de qualquer lugar do mundo. Você não está limitado aos funcionários que podem entrar em seu escritório.

Garantia da Qualidade. Freelancers devem fornecer um trabalho de alta qualidade para reter clientes, obter referências e manter seus negócios funcionando. Os funcionários em tempo integral podem estar menos motivados para maximizar a produtividade e produzir um trabalho excepcional, enquanto o trabalho de um freelancer depende disso.

Baixo risco. Se um freelancer não atende às expectativas, siga em frente. Com poucos ou nenhum custo de contratação e integração, é fácil testar o trabalho com um freelancer para ver se ele é adequado para suas necessidades.

Como convencer um gerente a implementar um orçamento de freelancer

Se sua equipe depende de tecnologia e pode gerenciar a colaboração online, você pode facilmente usar um freelancer para concluir determinados projetos. Quando a administração é nova no mundo do freelancer, use as seguintes dicas para obter um orçamento para freelancer:

Faça um caso de negócios. Se ficar claro que os freelancers ajudariam sua equipe a concluir um trabalho que seu talento atual não pode, você deve apresentar o caso de negócios para seu gerente contratá-los – para o melhor interesse da empresa.

Tenha o talento pronto. Se você está contando com um freelancer para ajudar a concluir o trabalho com mais eficiência, isso ajudará a pesquisar talentos freelance em uma rede como o Freela web.

Faça uma estimativa do retorno do investimento. Compare a economia de custos de trabalhar com um freelancer com o treinamento interno de um funcionário ou a contratação de um novo funcionário em tempo integral para esse trabalho e mostre o ponto central. Além disso, considere os objetivos de negócios e como os freelancers podem contribuir. Se a produtividade puder aumentar em X com a adição de talentos autônomos, demonstre o retorno do investimento a um gerente. Use esta fórmula básica para mostrar o ROI potencial de trabalhar com freelancers em uma estratégia de argumento de venda: (Crescimento de vendas – Custo do Freelancer) / Custo do Freelancer = ROI Determine quanto os leads e as vendas valem para sua empresa. Calcule seus leads e vendas esperados de trabalho freelancer. Use as taxas de freelancers para determinar seu ROI contratando freelancers.

Faça um orçamento de forma realista. Embora o valor do tempo como freelancer seja considerado uma grande vantagem, as taxas de freelance por hora são geralmente mais altas do que para trabalhadores em tempo integral. Isso porque freelancers são donos de empresas que têm que pagar por seu próprio seguro saúde, considerar o tempo de folga remunerado e incluir custos extras como marketing, manutenção de site e custos de home office em suas taxas.

Na apresentação do pitch, deixe claro que suas taxas são diretamente para o trabalho produzido. Além disso, não há despesas gerais para seguro e cobertura e outras despesas de funcionários em tempo integral quando você trabalha com freelancers.

Como pesquisar, encontrar e contratar freelancers de forma eficiente

Com um orçamento aprovado de freelancer, agora é hora de encontrar o talento. Conforme o mercado de freelancers cresce, é mais fácil encontrar a opção certa. Veja como fazer isso direito:

Detalhe suas necessidades. Antes da busca, tenha uma visão clara do projeto e a expertise que ele requer. Procure pessoas com um portfólio ou clientes anteriores que atendam às suas necessidades. Quanto mais específico você for, mais tempo poderá economizar.

Cuidado com o “triângulo da qualidade”. Projetado para manter os olhos de todos no prêmio, o triângulo de qualidade afirma que existem três qualidades básicas que a maioria dos empregadores deseja: bom, rápido e barato – mas você só pode escolher duas. Se você deseja que um projeto de alta qualidade seja entregue dentro do prazo, você precisa estar disposto a pagar taxas premium. Freelancers que conhecem seu valor terão um preço adequado. A opção menos cara raramente é a melhor.

Faça alguns testes. Se possível, teste vários freelancers com projetos menores e de curto prazo antes de pular para uma iniciativa maior e mais complexa. Você verá se as habilidades deles correspondem ao currículo, se eles funcionam bem com a equipe e se eles estão familiarizados com sua marca antes de fazer um investimento maior.

Prepare os freelancers para o sucesso. Economize tempo durante os processos de revisão e revisão, fornecendo instruções claras e detalhadas para freelancers. Dê bons exemplos do tipo de trabalho que a equipe precisa ser produzida. Fornece diretrizes de marca e marketing para garantir que seu trabalho esteja alinhado. Ofereça-se para estar disponível para perguntas durante todo o processo.

Fique com os bons. Bons líderes sabem reter freelancers favoritos para que não tenham que começar o processo novamente e novamente. Freelancers têm tanta liberdade para escolher seus clientes quanto as empresas têm para contratar funcionários. Manter os melhores freelancers ocupados reduzirá o treinamento que você precisa fornecer a uma equipe freelance. Eles conhecerão melhor sua empresa, o que pode melhorar o trabalho que eles contratam para você.

Com cada projeto, forneça feedback e reconhecimento significativos. Esforce-se para melhorar continuamente o processo de atribuição.

Compense adequadamente, especialmente quando você está solicitando um projeto urgente ou quando sua direção muda do escopo original. Tente fornecer expectativas de cronograma claras e estabelecer regularidade quando possível para que os freelancers saibam o que esperar de você como cliente.

Expanda seus negócios com uma equipe freelance.

Freelancers podem ser tão valiosos companheiros de equipe quanto funcionários em tempo integral. A tecnologia de hoje permite que freelancers colaborem com equipes em tempo integral facilmente por meio

chat e reuniões virtuais. A incorporação de trabalho freelance pode ajudar sua empresa a se tornar mais ágil e atingir objetivos com mais eficiência.

Quando você estiver pronto para expandir seus negócios com freelancers, use o Freelaweb.com.br para encontrar os melhores aqui no Brasil.

fonte: https://administradores.com.br/artigos/em-2021-contrate-freelancers-economize-7-dicas

5 dicas para quem quer empreender no mercado de Gastronomia

“Quem quer empreender no ramo da gastronomia tem que ter em mente que sua trajetória não será fácil”, afirma CEO

Seguindo alguns passos de grandes negócios, cada nicho de mercado oferece possibilidades de crescimento acelerado. O ramo de franquias alimentícias, por exemplo, é um dos setores que está liderando a corrida pela recuperação econômica – mesmo durante a pandemia -, segundo a Associação Brasileira de Franchising (ABF) e a empresa de pesquisas AGP; sendo uma oportunidade para empreendedores.

Para inovar no ramo de Gastronomia e indústria alimentícia, alguns passos podem ser seguidos. O Cofundador e CEO do grupo de investimentos Five Capital, Marlon Ceni, listou algumas dicas. Confira:

1. Resiliência

Quem quer empreender no ramo da gastronomia tem que ter em mente que sua trajetória não será fácil. Como todo negócio, o começo é guiado por muitas turbulências e desafios que só quem tem estômago e força de vontade consegue operar e guiar-se em meio a tantos desafios, como equipe, operação, logística de entrega e recebimentos, financeiro, roubos. Ser resiliente nos torna mais fortes para enfrentarmos as barreiras e desafios do dia a dia, focando sempre no bem comum e sucesso do negócio.

2. Processos

Como toda grande empresa, as pequenas e médias também precisam de processos organizados e manuais de treinamento impecáveis. Fazer o manual de A a Z de um restaurante passa por diversos setores que não se aprende apenas na faculdade. Lidamos com colaboradores e fornecedores que em grande parte não detém conhecimento técnico para tais cargos e um bom manual de processos discorrendo por diversos setores do restaurante é essencial. Esse manual vai desde assuntos relacionados ao fluxo de compras, financeiro, atendimento ao público, “cookição”, reposição, limpeza, empratamento, trabalho em equipe, tecnologia, Marketing entre outros que, no caso de Nattu, gerou mais de 80 manuais processuais internos separados em cinco setores que são, operação, financeiro, marketing, compras e Recursos humanos. Isto foi um grande aprendizado, ainda mais pensando na expansão do negócio.

3. Padronização

O mais importante aspecto pensando em capilaridade e crescimento de uma marca é a padronização do seu produto não importando o local que ele está inserido, por isso a importância de processos bem listados e montados como falamos acima. Quanto mais exigente nisso você for, melhor vai ser seu produto e a expansão da sua marca. Padronizar para crescer! Este é o caminho!

4. Time

Lidar com muitas pessoas em diferentes setores é sempre um desafio e requer habilidades como criatividade e liderança para aplicação de cultura dentro dos restaurantes. São colaboradores que, em grande parte, possuem vícios de mercado que não condizem com o que queremos para dentro da empresa, trazendo um desafio de treinamento para exercerem um dos principais pilares de um restaurante: experiência. Quando um cliente chega no restaurante ele quer ter uma experiência incrível, não é só a comida, é o ambiente, o atendimento, o público, o seu propósito. Levar a melhor experiência para o cliente depende do comprometimento do seu time, eles que vão fazer a diferença no seu restaurante e treiná-los para atender o gosto do seu público é nosso principal desafio. Então como lição para este ponto é sempre ter um time alinhado com os objetivos da sua empresa e que visa o conforto e qualidade para com o cliente em primeiro lugar.

5. Produto

Vamos para o calcanhar de Aquiles dos restaurantes: produto. Nele está inserido a experiência final do cliente depois de passar por um ambiente limpo e bem decorado, ser atendido com excelência pelos colaboradores chegamos na fase final da percepção do cliente e o local onde você ganha ou perde dinheiro. Primeiro passo é definir seu produto de acordo com o que você é. Se seu restaurante é uma hamburgueria seu foco é vender hambúrguer, se é de produtos naturais seu foco é alimentos saudáveis, se é um bar seu foco é drinks e cervejas e assim por diante. Um grande erro dos empreendedores é não ter foco e querer ser de tudo um pouco. Não desfoque nunca do seu verdadeiro produto, temos que oferecer qualidade e objetivo.

Bônus: precificação

Aprendi muito em como criar o preço correto para nosso produto analisando toda a cadeia produtiva do mesmo. A famosa curva ABC. Entre outros aspectos que trazem uma outra visão do business restaurante. Outro aspecto importante é compras, você passa a ser praticamente um comprador de ações na bolsa, negociando compras como nos anos 90. Ligação e preços ditam a regra. Passamos por alguns pontos cruciais de vida em um restaurante, o dia a dia no business é primordial para o aprendizado. Em meio a um ano como 2020, ser resiliente é crucial, buscando métricas de redução de custos e otimização de equipe.

Algumas decisões podem ser críticas, segundo Ceni. “Em pouco mais de cinco anos, pude acompanhar mudanças no comportamento do consumidor no quesito alimentação. Se antes ele pensava em comer rápido e alimentos mais calóricos, hoje ele busca opções mais saudáveis que irão trazer benefícios a longo prazo. Esse é o tipo de visão que o empreendedor deve ter para crescer rápido e, talvez, até mudar drasticamente o negócio para acompanhar tendências de crescimento”, explica o empresário.

fonte: https://administradores.com.br/noticias/5-dicas-para-quem-quer-empreender-no-mercado-de-gastronomia

Como fazer um network vencedor

O network é mais que, simplesmente, sua “rede de contatos”. É seu “capital social”, um recurso que deve ser construído e cultivado.

Vamos imaginar uma cena que acontece com muita gente. Subitamente, você recebe uma ligação de um amigo que há muitos anos não fala com você. A conversa começa com algo do tipo “Há quanto tempo! Você sumiu!”.

Bem, você NÃO sumiu – seu endereço, seu telefone e seu e-mail continuam os mesmos. Você continua frequentando os mesmos lugares. Qualquer um que quisesse lhe encontrar, a qualquer momento, saberia onde e como…

Você dá “corda” para o amigo, e ele segue falando… Relembra eventos dos “velhos tempos”, pergunta se você ainda mantém contato com os colegas de antigamente… Quando chega o momento adequado, ele dá o “bote”. Conta que está com problemas (possivelmente desempregado) e está procurando ajuda. Quem sabe uma indicação para um novo emprego?

Bem, o que vimos aqui é um exemplo de como NÃO fazer networking. Tenho certeza que muitas pessoas que estão lendo isso já se viram na situação descrita. Algumas outras podem ainda ter participado de uma cena parecida, mas na embaraçosa situação do “amigo” que só se lembra dos outros quando precisa de alguma coisa…

Fazer networking não é apenas conhecer pessoas e trocar cartões. O network é seu “capital social”, e um network vencedor deve ser cultivado de forma muito cuidadosa. Networking é sobre pessoas e relacionamentos, e é um grande erro tratar seu network como aquela coleção de figurinhas da infância, que fica guardada em alguma caixa empoeirada e que você só abre em momentos de “surto nostálgico”.

A rigor, não existem regras para se fazer um bom networking mas, se fosse para elencar uma “regra principal” do network vencedor, diria algo como “faça ANTES de precisar”. Aproveite os momentos em que as coisas caminham bem e a maré está favorável para desenvolver relacionamentos e cultivá-los. Faça o que puder para conhecer pessoas novas e interessantes, que possam representar oportunidades futuras, mas se esforce ainda mais em cultivar o network que já tem.

Mantenha contato com essas pessoas, interesse-se por elas (no sentido de ser “interessado” e não “interesseiro”) e faça um grande favor a si mesmo: JAMAIS se coloque na situação constrangedora de ser a pessoa que lembra dos “amigos” apenas quando está em dificuldades.

Uma boa dica para pessoas que querem fazer um network vencedor é começar com um “inventário” dos contatos, amigos e colegas. Antes de procurar conhecer novas pessoas, é interessante tentar fazer algo com aquilo que já temos à mão. Há quanto tempo você não dá um “alô” para seus contatos?

Ligar de vez em quando, mandar um e-mail ou uma mensagem (uma mensagem, por favor nada de mensagens genéricas, frases motivacionais ingênuas e, principalmente, NADA de propagar fake news!) é uma medida muito salutar. Geralmente, as pessoas costumam gostar quando damos demonstrações de interesse.

Melhor ainda quando não pedimos nada em troca (ou insinuamos alguma intenção oculta). Se dermos, periodicamente, uma demonstração de interesse para essas pessoas, certamente será muito mais fácil obter algo delas no futuro, caso realmente precisemos.

Pequenas atitudes como essas fazem com que estejamos presentes na memória de curto prazo das pessoas. Será muito mais fácil sermos lembrados quando elas ficarem sabendo de alguma oportunidade que não interessa para elas, mas elas saberão que seria a oportunidade “da sua vida”.

Você não tem uma lista de contatos? Ou sua lista é muito pequena? Nesse caso é uma boa pedida investir um pouco de tempo e esforço em conhecer gente nova. Frequentar eventos de interesse de profissionais de sua área, cursos ou mesmo eventos sociais absolutamente despretensiosos (apenas cuidado com eventos que são, especificamente, para a finalidade de networking – o público desses eventos costuma ser de baixa qualidade).

Enfim, vale (quase) tudo. Em qualquer lugar é sempre possível encontrar pessoas interessantes, mas sempre observando a regra de “construir antes de precisar”.

Deixar para fazer sua rede de contatos quando se está “na pior” é contraproducente. Geralmente, quem está na posição de querer algo (e não tem condições de contribuir com nada em troca) acabará ingressando em redes sociais de baixo nível e baixa qualidade.

Comece a construir sua rede de contatos (e, principalmente, a cultivá-la) AGORA. Não deixe para fazer isso no momento em que vai precisar dela.

fonte: https://administradores.com.br/artigos/como-fazer-um-network-vencedor